Passat Iraque 1987 é destaque em eventos automotivos

Passat Iraque

O carro foi sendo transformado aos poucos. As portas foi instalado o kit lamboo dors, mas conhecido como estilo de Lamborghini, e as traseiras “asa de gaivota”. Mas instalar o teto solar de um Fiat Stilo no capô foi a tarefa mais complicada.

Sob o capô está um propulsor 1.7 turbo que teve o bloco cortado para acomodar pistões do Santana 2.0, um procedimento que resulta no motor chamado de “mil e nove”, porque fica com 1.9 litro de deslocamento e aproximadamente 400 cavalos (de potência), mas nunca foi para o dinamômetro.

Para segurar a bronca, Viana colocou freios a disco nas 4 rodas (sem ABS) – o dianteiro veio do Gol GTi, e o traseiro do Passat alemão. As rodas cromadas são de 18 polegadas, e a suspensão é a ar. O painel foi todo customizado com mostradores digitais e analógicos.

Entre os itens mais curiosos que ele criou estão o volante de corrente e o câmbio do tipo “granada”. E o consumo? Deve fazer, em média, 2 km/l. Se andar bem tranquilo, deve fazer menos que 4 km/l”. Para esse resulta foi investido algo em torno de R$ 90 mil ao longo de 15 anos.

Passat Iraque1

Passat Iraque2




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *